Fatos COVID-19

O que é a COVID-19?

A COVID-19 é a doença associada ao coronavírus da síndrome respiratória aguda grave 2 (SARS-CoV-2). O SARS-CoV-2 é uma nova estirpe de coronavírus que não tinha sido identificada no ser humano antes de dezembro de 2019. Existem diferentes tipos de coronavírus e, embora circulem principalmente entre animais, alguns também podem infetar o ser humano.

O surto de COVID-19 que teve início no final de 2019 foi declarado pandemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 11 de março de 2020 (1). Esta é a primeira pandemia causada por um coronavírus.

Symptoms of COVID-19

Quais são os sintomas da COVID-19?

A COVID-19 varia em gravidade, da ausência de sintomas (doença assintomática) aos seguintes sintomas:

  • febre,
  • tosse,
  • dor de garganta,
  • alteração ou perda de paladar e/ou de olfato,
  • fraqueza geral,
  • diarreia,
  • fadiga,
  • dores musculares.

Em casos graves, os sintomas podem incluir:

  • infeção pulmonar grave,
  • septicemia e choque sético — infeção e resposta inflamatória generalizada.

Estes sintomas exigem assistência e cuidados médicos especializados.

O estado do doente pode deteriorar-se rapidamente, com frequência durante a segunda semana da doença.

Quais são as complicações da COVID-19?

Uma percentagem das pessoas afetadas pela COVID-19 exigirá hospitalização, algumas necessitando mesmo de cuidados intensivos, às vezes por longos períodos. As pessoas que desenvolvem sintomas respiratórios graves podem precisar de apoio de ventilação mecânica, o que as pode tornar mais suscetíveis a infeções bacterianas secundárias. Além disso, os doentes com COVID-19 podem ter complicações, como AVC ou ataques cardíacos, devido a um aumento da coagulação. Alguns doentes têm sintomas neurológicos, como alterações de personalidade ou mudanças no estado de alerta.

As taxas de hospitalização aumentam rapidamente com a idade, em especial para quem tem 60 anos ou mais e doenças subjacentes.

Para os casos de COVID-19, o risco de morrer aumenta rapidamente com a idade, sendo substancialmente maior do que no caso da gripe. É cada vez mais evidente que alguns doentes podem sofrer efeitos a longo prazo da infeção com a COVID-19, incluindo dificuldade em respirar e uma frequência cardíaca elevada.

Transmission of COVID-19

Como se propaga a COVID-19?

Embora se acredite que os morcegos sejam o hospedeiro original do vírus, o vírus agora transmite-se de pessoa para pessoa (transmissão entre seres humanos).

Atualmente, estima-se que, se não forem tomadas medidas preventivas, uma pessoa infetada infetará em média entre duas a três outras pessoas.

O vírus transmite-se principalmente através de gotículas respiratórias e núcleos de gotículas emitidos ao espirrar, tossir ou interagir com outras pessoas próximas (geralmente menos de dois metros). Estas gotículas podem ser inaladas ou pousar em superfícies com as quais outras pessoas entram em contacto, fazendo com que sejam infetadas quando tocam no nariz, na boca ou nos olhos. A transmissão também pode ocorrer a partir de uma pessoa que está infetada dois dias antes de começar a apresentar sintomas.

O vírus pode sobreviver em diferentes superfícies por várias horas (em cobre ou em cartão) ou até alguns dias (em plástico ou em aço inoxidável).

O período médio de incubação da COVID-19 (ou seja, o tempo entre a exposição ao vírus e o início dos sintomas) é atualmente estimado em torno de cinco a seis dias, mas quase sempre entre um e 14 dias.

Risk groups of COVID-19

Quem está em risco de contrair a COVID-19?

Todas as pessoas correm o risco de vir a ter COVID-19, com alguns grupos populacionais com um maior risco de desenvolvimento de doença grave. Os sintomas nas crianças tendem a ser menos graves do que nos adultos.

Os ambientes interiores lotados proporcionam oportunidades para surtos de COVID-19, sendo as prisões, os centros de acolhimento e as unidades de transformação de alimentos exemplos de locais onde foram relatados surtos. É possível que o ar frio e húmido aumente o risco de transmissão.

Os grupos com risco acrescido de desenvolver formas graves de COVID-19 são:

  • pessoas com 60 anos ou mais;
  • pessoas com doenças subjacentes, como obesidade, hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares, doenças respiratórias crónicas ou com o sistema imunitário debilitado.
Prevention of COVID

Como é possível prevenir a COVID-19?

Em finais de dezembro de 2020, foram disponibilizadas pela primeira vez vacinas para prevenir a COVID-19 na UE/EEE.

Recomenda-se manter a distância física (um mínimo de um ou, idealmente, dois metros) em relação às outras pessoas em locais públicos e evitar grandes aglomerados de pessoas para reduzir o risco de infeção através das gotículas respiratórias.

Para uma visão geral das ações que as pessoas e as comunidades podem tomar para ajudar a diminuir a propagação da COVID-19, consulte: Infografia: Medidas não farmacêuticas.

O vírus entra no corpo através dos olhos, do nariz ou da boca, por isso é importante evitar tocar no rosto sem ter as mãos lavadas. Lavar as mãos com água e sabão durante pelo menos 20 segundos, ou limpar as mãos completamente com soluções, géis ou toalhitas à base de álcool é recomendado em todas as situações.

Treatment of COVID-19

Como se trata a COVID-19?

Os cientistas e os médicos estão a estudar vários tratamentos para a COVID-19.

O tratamento efetuado pelos prestadores de cuidados de saúde dirige-se principalmente aos sintomas da COVID-19 e não ao vírus em si, proporcionando cuidados de apoio (por exemplo, oxigenoterapia, gestão de fluidos) às pessoas infetadas, o que pode ser extremamente eficaz.

Para os doentes em estado grave e crítico, estão a ser testados vários medicamentos para atingir o vírus, mas o seu uso ainda precisa de ser avaliado de forma mais aprofundada. Estão a decorrer vários ensaios clínicos internacionais para avaliar a eficácia de vários medicamentos e anticorpos.

Para obter informações mais recentes sobre os tratamentos para a COVID-19, visite o site da Agência Europeia de Medicamentos (EMA): Tratamentos e vacinas contra a COVID-19 (EN)

Outras informações

 

--------------------------------------------------------------------

Referência:

(1) Declarações iniciais do Diretor-Geral da OMS na sessão de informação à imprensa sobre a COVID-19, 11 de março de 2020: https://www.who.int/dg/speeches/detail/who-director-general-s-opening-remarks-at-the-media-briefing-on-covid-19---11-march-2020 (EN)

 

Nota: As informações contidas nesta ficha informativa destinam-se a informação geral e não dispensam a consulta de um profissional de saúde.

Vacinas contra a COVID-19

A UE é responsável por garantir que o público na UE/EEE tenha acesso a vacinas contra a COVID-19 seguras e eficazes. A Comissão Europeia autoriza as vacinas contra a COVID-19 após a avaliação pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) e a consulta dos Estados-Membros da UE. As primeiras vacinas foram administradas no final de 2020.